top of page

A relação entre a irisina e a insulina

Atualizado: 23 de nov. de 2022


A irisina é uma miocina que leva ao aumento do gasto de energia. Por isso, diversos estudos têm associado a irisina à melhora da homeostase da glicose pela redução da resistência à insulina. Nesse sentido, entenda, como acontece essa relação entre a irisina e a insulina.


O metabolismo da Insulina


A insulina é conhecida por atuar através de um receptor chamado tirosina quinase, que realiza a fosforilação dos substratos do receptor de insulina (IRS-1 e IRS-2), levando à ativação sucessiva de enzimas quinase. As principais ações pós-prandial da insulina incluem a translocação de transportadores de glicose como o GLUT4 para a membrana dos miócitos e adipócitos e inibição da lipólise e da gliconeogênese.


Insulina, exercício e a irisina


A função hormonal do músculo só foi descrita nos últimos anos, com base na identificação de miocinas que atuam de forma sistêmica, uma delas é a irisina. A maioria das miocinas são liberadas em resposta à contração muscular durante o exercício físico, mas também em resposta a alterações nutricionais. Embora o músculo responde diretamente à insulina aumentando a translocação de GLUT4 e a síntese de glicogênio, as miocinas também influenciam o metabolismo de glicose e lipídios do corpo inteiro e o balanço energético, pois demonstraram atuar no tecido adiposo, fígado, pâncreas e intestino.


Irisina, resistência à Insulina e músculo


O músculo esquelético é particularmente importante na resistência à insulina, pois capta a maior parte da glicose pós-prandial. Portanto, como várias miocinas são produzidas como consequência da captação muscular de glicose, espera-se que a resistência à insulina possa alterar a secreção de miocinas. Além disso, como o desenvolvimento da resistência à insulina altera completamente o metabolismo dos miócitos (fibras musculares), a secreção de miocinas durante o exercício também pode ser comprometida.


Irisina e Insulina


Como vimos anteriormente, a irisina parece desempenhar um papel na sensibilidade à insulina. Nesse contexto, evidências destacam que a irisina circulante pode ser aumentada de maneira compensatória para superar ou neutralizar a resistência à insulina cada vez mais agravada. Um estudo de metanálise demonstrou também que a irisina circulante foi significativa e positivamente associada à resistência à insulina.


Dessa forma, a Irisina pode desempenhar um papel de proteção para resistência à insulina porém, vale ressaltar que essas ações fisiológicas da irisina quanto a insulina ainda não estão totalmente compreendidas na literatura científica.


Referências bibliográficas

GAMAS, Luis; MATAFOME, Paulo; SEIÇA, Raquel. Irisin and Myonectin Regulation in the Insulin Resistant Muscle: implications to adipose tissue. Journal Of Diabetes Research, [S.L.], v. 2015, p. 1-8, 2015. Hindawi Limited. http://dx.doi.org/10.1155/2015/359159.


QIU, Shanhu et al. Association between circulating irisin and insulin resistance in non-diabetic adults: a meta-analysis. Metabolism, [S.L.], v. 65, n. 6, p. 825-834, jun. 2016. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.metabol.2016.02.006.


PERAKAKIS, Nikolaos et al. Physiology and role of irisin in glucose homeostasis. Nature Reviews Endocrinology, [S.L.], v. 13, n. 6, p. 324-337, 17 fev. 2017. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1038/nrendo.2016.221.

211 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page