Alcachofra: conheça 5 benefícios da alcachofra!


A alcachofra, também conhecida pelo seu nome científico, Cynarascolymus, é originária das regiões mediterrâneas e pertencente à família Asteraceae. Ela é uma planta milenar cultivada por diversos povos (caso dos romanos e egípcios) por conta das suas propriedades terapêuticas, como, por exemplo, colagoga (excita a secreção biliar), colerética (aumenta o volume de secreção de bile do fígado), antiespasmódica (inibe a motilidade da musculatura visceral), antidispéptica (combate o desconforto gástrico), hepatoprotetora, antianêmico (combate a anemia) e antitrombótica.


Com relação a sua composição nutricional, a alcachofra é considerada um alimento de baixo valor calórico, baixa concentração de gorduras, rico em fibras (principalmente a inulina) e com uma grande quantidade vitamínica e mineral (precipuamente em ferro, vitamina C, tiamina, niacina e piridoxina). Por conta da enorme quantidade de fibras, a planta é indicada para pacientes portadores de diabetes, obesos e pessoas com constipação intestinal.


Além disso, ao utilizar o processo de cromatografia (processo físico-químico que separa as substâncias químicas), foi possível observar a presença de enzimas (proteases, oxidases, peroxidases, etc.), óleos essenciais (muuroleno, humuleno), ácidos alifáticos (láctico, málico, succínico), galactosamina, entre outros.


Em relação aos compostos fenólicos, a alcachofra apresenta 22 metabólitos secundários (compostos produzidos em plantas com o intuito de combater estresses bióticos e abióticos), sendo 11 ácidos cafeolquínicos (caso do ácido cafeico, ácido monocafeoilquínicos e ácido dicafeoilquínico) e 8 flavonóides (luteolina, apigenina, narigenina e nariritina), sendo a Apigenina 7-O- glucoronídeo o principal flavonóide encontrado em amostras.


Essa composição da alcachofra é responsável pelos seguintes efeitos farmacológicos:

  • Atividade hepatoprotetora: os estudos de Adzet et al., (1987) e Wegener e Fintelmann (1999), demonstraram resultados positivos ao testarem a capacidade hepatoprotetora de compostos ativos extraídos da alcachofra, onde a cinarina e o ácido caféico (em menor proporção)

exerceram efeito protetor contra a toxicidade produzida por CCl4 em hepatócitos de ratos.

  • Atividade antiviral: segundo os estudos conduzidos por McDougall et al. (1998), Zhu et al. (1999) e King et al. (1999), os compostos ativos extraídos da alcachofra (ácidos dicafeoilquínicos e seus decorrentes) impediram a replicação do vírus da HIV ao inibirem a enzima HIV integraze. Além disso, a pesquisa de Slanina et. Al. (2001) demonstrou resultados semelhantes ao utilizarem a cinarina (ácido 1,3-caeoilquínico presente na alcachofra) para impedir a proliferação do vírus HIV.

  • Atividade antimicrobiana: a pesquisa realizada por ZHU et al. (2004 e 2005) consistiu em isolar os extratos clorofórmico, etanólico, butanólico e de acetato de etila das folhas, cabeça, e do talo da alcachofra.Como resultado, os pesquisadores observaram efeitos antifúngicos e antimicrobianos. Ademais, os autores ressaltam que o ácido clorogênico, a cinarina, a luteolina-7-rutinosídeo e o cinarosídeo apresentaram as maiores atividades, sendo mais ativas contra os fungos do que contra as bactérias.

  • Atividade antidispéptica: o estudo duplo-cego randomizado com grupo placebo de Holtmann, G. et al. (2003), indicou que pacientes tratados 2 vezes ao dia com 320 miligramas do extrato da planta apresentaram um maior alívio dos sintomas e uma melhora na qualidade de vida quando comparados ao grupo placebo. Esses resultados são corroborados pelo estudo de Marakis, G. et al. (2002), neste, os autores observaram o potencial terapêutico da utilização de baixas doses do extrato de folhas da alcachofra, o estudo contou com 516 participantes (454 completaram) e teve como resultado, uma redução em todos os sintomas dispépticos, apresentando uma diminuição de 40% no “global dyspepsia score”.

  • Atividade antilipêmica:a atividade antilipêmica foi observada no estudo de Englisch, W. et al. (2000), neste, os autores investigaram a eficácia e tolerabilidade do extrato seco da alcachofra quando submetidos a pacientes com hiperlipidemia e comparado ao placebo. O resultado apresentou uma diminuição, estatisticamente significante, no colesterol total e no LDL-colesterol quando comparados ao grupo placebo.Esses achados são corroborados pelo estudo de Bundy, R. et al. (2008),


A pesquisa tinha como objetivo verificar o efeito do extrato das folhas de alcachofra em adultos com hipercolesterolemia moderada, ela durou 12 semanas e contou com 131 participantes, os indivíduos foram alocados em dois grupos (um recebendo a substância e o outro o placebo), os resultados demonstraram que o grupo que recebeu o extrato apresentou uma diminuição modesta no colesterol total ao final do estudo.


Referências:


WALLIS, Carol et al. Artichoke leaf extract (Cynara scolymus) reduces plasma cholesterol in otherwise healthy hypercholesterolemic adults: a randomized, double blind placebo controlled trial. Phytomedicine, [S. l.], p. -, 15 set. 2008. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18424099/. Acesso em: 1 nov. 2021.

BUNDY, Rafe et al. Artichoke leaf extract reduces symptoms of irritable bowel syndrome and improves quality of life in otherwise healthy volunteers suffering from concomitant dyspepsia: a subset analysis. J Altern Complement Med ., [S. l.], p. -, 10 ago. 2004. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15353023/. Acesso em: 1 nov. 2021.

RUEPP, M. et al. Efficacy of Artichoke dry extract in patients with hyperlipoproteinemia. Arzneimittelforschung . , [S. l.], p. -, 1 mar. 2000. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10758778/. Acesso em: 1 nov. 2021.

S., Alves; F., Botsaris. Cynara scolymus L. (Artichoke). Estado da Arte, [S. l.],

p. -, 1 jun. 2007. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/19152/2/4.pdf. Acesso em: 1 nov. 2021.

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14653829/


SILVA, José et al. ATIVIDADE TERAPÊUTICA E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA ALCACHOFRA (CYNARA SCOLYMUS LINNÉ). UMA REVISÃO DA

LITERATURA. Mostra de Pesquisa em Ciência e Tecnologia 2017, [S. l.], p.

-, 4 jul. 2017. Disponível em: https://www.even3.com.br/anais/mpct2017/47805- atividade-terapeutica-e-composicao-quimica-da-alcachofra-(cynara-scolymus- linne)-uma-revisao-da-literatura/. Acesso em: 1 nov. 2021.

MONACHE, Franco et al. Composição química e atividades biológicas das folhas de Cynara scolymus L. (alcachofra) cultivada no Brasil. Quim. Nova, [S. l.], p. -, 1 mar. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/qn/a/DkPg9DbyjmwHsr4LRFp3y6s/?lang=pt. Acesso em: 1 nov. 2021.

K., Zhu et al. Irreversible inhibition of human immunodeficiency virus type 1 integrase by dicaffeoylquinic acids. J Virol, [S. l.], p. -, 1 abr. 1997. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10074185/. Acesso em: 1 nov. 2021.

LO, Raymond et al. Phenolic Compounds from the Leaf Extract of Artichoke (Cynara scolymus L.) and Their Antimicrobial Activities. J. Agric. Food Chem., [S. l.], p. 7272-7278, 5 nov. 2004. Disponível em:

https://pubs.acs.org/doi/10.1021/jf0490192. Acesso em: 1 nov. 2021.


HUMPA, Otakar et al. New and facile method of preparation of the anti-HIV-1 agent, 1,3-dicaffeoylquinic acid. Tetrahedron Letters, [S. l.], p. 3383-3385, 1 jan. 2021. Disponível em: https://www.infona.pl/resource/bwmeta1.element.elsevier-394cbdcb-d3f7-3c6f- 91d0-c88c4414ab12. Acesso em: 1 nov. 2021.

ADZET, T et al. Hepatoprotective activity of polyphenolic compounds from Cynara scolymus against CCl4 toxicity in isolated rat hepatocytes. J Nat Prod ., [S. l.], p. -, 1 jul. 1987. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/3430163/. Acesso em: 1 nov. 2021.

WEGENER, T et al. [Pharmacological properties and therapeutic profile of artichoke (Cynara scolymus L.)]. Wien Med Wochenschr . , [S. l.], p. -, 1 jan. 1999. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10483691/. Acesso em: 1 nov. 2021.

WU, Bor et al. Dicaffeoylquinic and Dicaffeoyltartaric Acids Are Selective Inhibitors of Human Immunodeficiency Virus Type 1 Integrase. Journal of Clinical Microbiology, [S. l.], p. -, 17 dez. 2020. Disponível em: https://journals.asm.org/doi/10.1128/AAC.42.1.140. Acesso em: 1 nov. 2021.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo