Chocolate - forma farmacêutica deliciosa para seu tratamento

Atualizado: Out 6



O cacau é apontado como uma fonte importante de polifenóis, com destaque para os flavonoides, catequinas, epicatequinas, antocianinas e outros vários polifenóis. O principal produto proveniente do processamento das sementes de cacau é o chocolate, no qual estudos mostram que mesmo depois de processado, exerce efeito benéfico à saúde.

O chocolate é definido como o produto obtido a partir da mistura de derivados de cacau, massa de cacau, cacau em pó e/ou manteiga de cacau, com outros ingredientes, contendo no mínimo 25% de sólidos totais de cacau. Os variados tipos do produto são produzidos através de modificações nas proporções dos seus ingredientes e na adição de outros ingredientes na sua composição básica. Atualmente no mercado os principais tipos de chocolates presentes são: o chocolate branco, chocolate ao leite e o chocolate amargo.

O chocolate amargo contém massa de cacau que varia de 50% a 100%, manteiga de cacau e açúcar. Quanto maior o teor de cacau, mais amargo, menos manteiga de cacau e menos açúcar ele terá, ou seja, será mais puro, nutritivo e rico em fitoquímicos.

O chocolate amargo contém compostos fenólicos como catequina, epicatequina, antocianinas e outros vários polifenóis. Os compostos polifenólicos são frequentemente percebidos como amargos e adstringentes, e um aumento no teor de polifenóis têm o potencial de provocar sensações mais intensas de amargura e adstringência. Este tipo de chocolate é constituído por uma quantidade maior de cacau (70%) e tem baixo teor de açúcar e gorduras, sendo assim podem trazer alguns benefícios nutricionais.

O consumo de flavonóides presente no chocolate amargo e em outros alimentos ricos em flavonóides tem sido associado a inúmeros benefícios à saúde, e revisões da literatura indicam que os flavonóides do cacau estão associados a benefícios à saúde cardiovascular e à função cognitiva.

Estudos mostram que o consumo diário de cacau rico em flavonóides está associado a efeitos positivos na memória de trabalho e função executiva em idosos saudáveis ​. Esses efeitos crônicos são acompanhados por mudanças no fluxo sanguíneo cerebral que é indicativo de um mecanismo de ação cerebrovascular.

Alterações no fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), uma proteína associada ao crescimento neuronal, também foram observadas após doze semanas de consumo de flavonóides do cacau. Um mecanismo cerebrovascular agudo também tem potencial para impactar a função cognitiva nas horas imediatas após o consumo de flavonóides de cacau.

Dessa forma, além de suas propriedades, o chocolate na sua forma funcional tem sido muito utilizado para mascarar as características de alguns fármacos e dessa forma promover maior adesão dos pacientes ao seus tratamentos, sendo até mesmo em sua formulação combinando com ativos farmacêuticos. Além disso, em sua forma farmacêutica, o chocolate possui menos gordura, pode até mesmo ser sem açúcar ou adoçado com stevia ou maltitol, ser livre de lactose, ser manipulado com vitaminas, minerais e probióticos.