top of page

Como incluir a cúrcuma no seu dia a dia

Atualizado: 7 de dez. de 2022


A cúrcuma (Curcuma longa L.) é uma planta herbácea que é amplamente cultivada na Ásia, mas principalmente na região da Índia e na China. Provavelmente originada da Índia, o açafrão da terra, como também é chamada, é usado na Índia há pelo menos 2.500 anos, porém a origem da planta não é muito certa, mas acredita-se que seja originária do sudeste da Ásia. No Brasil, o uso de cúrcuma tem aumentado cada vez mais principalmente devido à sua propriedade forte de coloração amarelada e sua capacidade de melhorar o odor dos alimentos, podendo ser encontrada comercialmente na forma de açafrão em pó.


Existem algumas formas de consumir a curcuma e uma delas se dá através do seu rizoma, que é um caule subterrâneo espesso e carnudo rodeado de bases de folhas velhas que fazem parte do açafrão e que contem um excelente potencial medicinal. Os rizomas podem ser consumidos após fervura, como extratos secos ou moídos para formar o tempero amarelo brilhante.


Muito utilizada como tempero para realçar o sabor das preparações, a curcuma em pó possui sabor amargo apimentado e uma fragrância leve que lembra a laranja e o gengibre. Embora o açafrão em pó seja mais conhecido como um dos principais ingredientes utilizados ​​para fazer o tempero do curry, ele também é usado para promover a cor amarelo brilhante da mostarda.


Além da sua excelente utilização culinária, a cúrcuma tem sido amplamente usada na medicina tradicional há muitos anos por conta das suas inúmeras propriedades medicinais. Nesse sentido, a curcumina é o curcumóide predominante na cúrcuma, sendo capaz de influenciar inúmeras vias de sinalização além de possuir propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, antimicrobianas, hipoglicêmicas, hepatoprotetoras, anticarcinogênicas, antidiabéticas, antidepressivas, cicatrizante de feridas, quimioterápicas, quimiossensibilizantes e radiossensibilizantes.


Na medicina tradicional ayurvédica, a curcuma é utlizada também como um excelente antisséptico natural, desinfetante, anti-inflamatório e analgésico, ao mesmo tempo que pode contribuir para melhora da digestão, microbiota intestinal e auxiliar no tratamento de irritações da pele. Ainda, a ingestão mais tolerável em torno de 6-7g de cúrcuma em pó por dia, tem demonstrado ser eficiente para o tratamento de tosse, dor de garganta e algumas doenças respiratórias.


Considerando o momento pandémico atual por conta das contaminações do COVID-19, apesar de não existirem até o momento medicamentos específicos para o tratamento dessa doença, alguns estudos mencionam que certos componentes derivados da curcuma apresentam potencial antiviral já documentados em ensaios clínicos contra o vírus da H1N1 por exemplo, como é o caso dos componentes monoacetilcurcumina e a curcumina que inibem a infecção do vírus influenza por diferentes vias. Além disso, a curcumina é um ligante natural do PPAR-γ, que reprime o processo inflamatório reduzindo a produção de citocinas, portanto, pode desempenhar um papel na proteção da lesão pulmonar associada ao COVID. No entanto, se faz necessário mais estudos que comprovem essa atuação.


Devido as inúmeras funções e propriedades presentes na curcuma, sua ingestão no dia a dia tem se tornado comum e algumas das formas mais práticas de consumi-la é em pó para temperar alimentos, proporcionando cor e aroma significativos em preparações com peixes e frango ou sopas e cremes amarelos para realçar a cor. Além disso, a curcuma pode ser adicionada em temperos caseiros, juntamente a cebola, alho, azeite, vinagre, ervas e sal a gosto.


A curcuma também pode ser misturada com outros componentes em shots matinais, como por exemplo limão, água, mel, gengibre e pimenta do reino. Ainda, é importante ressaltar que a absorção da curcuma não é muito boa, por isso o seu consumo junto a azeite de oliva ou pimenta negra que possui a piperina, pode aumentar de forma excelente sua biodisponibilidade. Nesse contexto, a associação de 2 g de curcumina + 5 mg de piperina apresentou um aumento de 3 vezes na absorção.



Referências

Verma, R. K., Kumari, P., Maurya, R. K., Kumar, V., Verma, R. B., & Singh, R. K. (2018). Medicinal properties of turmeric (Curcuma longa L.): A review. Int. J. Chem. Stud, 6(4), 1354-1357.

Gupta, H., Gupta, M., & Bhargava, S. (2020). Potential use of turmeric in COVID‐19. Clinical and experimental Dermatology.

Sadashiva, C. T., Hussain, H. F., & Nanjundaiah, S. (2019). Evaluation of hepatoprotective, antioxidant and cytotoxic properties of aqueous extract of turmeric rhizome (Turmesac). Journal of Medicinal Plants Research, 13(17), 423-430.

Dei Cas, M., & Ghidoni, R. (2019). Dietary curcumin: correlation between bioavailability and health potential. Nutrients, 11(9), 2147.


3.596 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page