Ejaculação precoce – entenda o que acontece, como prevenir e como tratar



A ejaculação precoce é um dos transtornos sexuais mais prevalentes na população masculina com prevalência média de cerca de 30%. É frequentemente encontrada em homens mais jovens, e ocorre quando o indivíduo ejacula mais rápido do que gostaria durante a relação ou estimulação sexual. Em 2018 a Classificação Internacional de Doenças-11a edição (CID-11) definiu como a ejaculação que ocorre antes ou dentro de uma duração muito curta do início da penetração vaginal ou outra estimulação sexual relevante, com pouco ou nenhum controle percebido sobre a ejaculação. O padrão de ejaculação ocorre episódica ou persistentemente durante um período de vários meses e está associado a um sofrimento clinicamente significativo. Esse distúrbio acaba levando a problemas psicológicos tanto para o homem quanto para os casais.


Ejaculação precoce primária e secundária

Nos casos de ejaculação precoce primária, o indivíduo pode ter problemas associados a fatores genéticos ou hipersensibilidade peniana, já no segundo caso, fatores psicológicos costumam ser o ponto de investigação. Acredita-se que para uma parcela dos homens com ejaculação precoce primária, a etiologia possa ser decorrente da desregulação serotoninérgica. Uma das hipóteses é de que exista hipossensibilidade dos receptores serotoninérgicos 5-HT1A. Considerando que a serotonina geralmente apresenta papel de retardar a ejaculação, homens com menor neurotransmissão serotoninérgica e/ou hipossensibilidade dos receptores 5-HTC2 podem apresentar limiar ejaculatório mais baixo. Embora menos estudados na ejaculação precoce, a dopamina e a ocitocina também parecem desempenhar papel importante no processo ejaculatório.


Prevenção e tratamento

A prevenção nesses casos consiste na mesma forma de tratamento, o tratamento para ejaculação precoce primária se inicia a base de fármacos como inibidores seletivos da recaptação de serotonina, antidepressivos tricíclicos, tramadol, inibidores de 5-fosfodiesterase e anestésicos locais. Nos casos de ejaculação precoce secundária, o tratamento inicial ocorre com psicoterapia e pode evoluir para o tratamento medicamentoso.

Para um estudo mais aprofundado sobre o tema, segue algumas sugestões de leitura:


Artigo:

Paul GM, Medici E, Abdo CHN. Diagnóstico clínico e tratamento medicamentoso

em ejaculação precoce Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba (PR).2019

31 visualizações1 comentário