O exercício físico como um pilar para a longevidade

Atualizado: Jul 20

A academia, que antes era um espaço quase que exclusivo de jovens e adultos, hoje está mudando o seu perfil. Talvez você já tenha percebido que um público que está cada vez mais presente são os idosos, mas não apenas nas academias. Imagino que aí nos parques públicos da sua cidade, essa presença de idosos caminhando ou correndo é mais destacada ainda, não é?


E é exatamente sobre este tema que quero conversar com você hoje aqui no Blog da Simple Pharma. O motivo principal pelo qual cada vez mais idosos estão praticando o exercício físico é devido a que sem sombra de dúvidas, com as evidências científicas que nós temos, posso afirmar que o exercício físico é um pilar para a longevidade. Assim, nos parágrafos abaixo entenda como o exercício aeróbico e a musculação podem ajudar o paciente idoso.



Musculação


Recentemente, diversas pesquisas vêm apresentando o exercício físico devidamente prescrito, como uma prática eficaz e saudável para que se observe a melhora da mobilidade física, da síntese proteica, o atraso da ocorrência de doenças crônicas não transmissíveis que acometem o idoso, entre outros benefícios. Sobre o treinamento resistido com pesos, pode-se dizer que o mesmo é mais efetivo que o exercício aeróbico para alguns parâmetros, como a atenuação da perda de massa magra e força. Contudo, o ideal seria a junção dos dois tipos de exercício físico devido às especificidades de cada um.


Ainda sobre a musculação, a mecanística envolvida nesses benefícios é a diminuição da resistência anabólica com consequente diminuição do catabolismo muscular, a melhora da sensibilidade à insulina, da composição corporal, da função imune, do perfil de hormônios sexuais, e também de marcadores inflamatórios. Tal papel é desempenhado devido ao processo de contração muscular.


Neste caso, o músculo atua como um órgão endócrino através da liberação muscular da citocina IL-6, de peptídeos conhecidos como miocinas na corrente sanguínea, nos quais exercem efeito anti-inflamatório e sensibilizador da insulina nos tecidos. Além disso, o aumento da translocação do Glut4 para a membrana celular é outro fator essencial para que haja a diminuição da severidade da diabetes mellitus tipo 2.


Outro papel fundamental da musculação ao idoso, é que esse exercício pode aumentar a excitabilidade motoneuronal, a função cardiovascular, a força e a hipertrofia muscular, além da velocidade no andar, e da performance motora. Desse modo, observa-se a otimização da função física do idoso através da diminuição da perda progressiva de massa magra e força muscular na qual o mesmo frequentemente é acometido (sarcopenia).


Exercício aeróbico


Talvez o "queridinho dos idosos", o exercício aeróbico no qual é praticado por essa população principalmente através da caminhada ou da corrida de baixa/moderada intensidade, é uma prática que também têm os seus benefícios. Sobre o tema, o treinamento aeróbico realizado de modo crônico propicia entre outras adaptações, a inibição da apoptose mionuclear e a otimização da atividade da enzima Citrato Sintase nas fibras musculares e do co-ativador transcricional PGC-1α, alterações essas que acarretam na potencialização da biogênese mitocondrial.


Com este aprimoramento da função mitocondrial, o metabolismo energético como um todo tende a ser melhorado, inclusive as vias de oxidação lipídica. Ademais, também pode acarretar no aprimoramento da cascata de sinalização da insulina mediada pela AKT, sendo que pode ser verificado o maior conteúdo da proteína AKT no músculo esquelético, na qual culmina na posterior translocação de GLUT4 para a membrana celular, aumentando assim a captação glicídica, principalmente quando o exercício é feito com cerca de 60 - 80 % do VO2 Máximo do indivíduo.


Por fim, a melhora da capacidade cardiovascular é talvez o benefício mais conhecido por essa população, de modo a que haja dentre outros benefícios, o aumento do fluxo sanguíneo para todos os tecidos do corpo. E se você ficou com dúvida em qual é mais adequado para a promoção da longevidade, o exercício aeróbico ou o anaeróbico, saiba que o idea na maioria dos casos, é a um balanço adequado entre as duas modalidades de exercícios.


Também, é essencial o manejo nutricional apropriado por parte de um nutricionista e o acompanhamento por um profissional de educação física, principalmente nesta fase da vida, de modo a evitar-se a sucessão de lesões, e assim, os riscos de desenvolvimento ou agravamento da sarcopenia e demais comorbidades sejam devidamente reduzidos. Muito obrigado e continue conosco aqui no Blog da Simple Pharma.


Referências bibliográficas


Mcleod JC, Stokes T and Phillips SM (2019) Resistance Exercise Training as a Primary Countermeasure to Age-Related Chronic Disease. Front. Physiol. 10:645. doi: 10.3389/fphys.2019.00645

Ziaaldini MM, Marzetti E, Picca A and Murlasits Z (2017) Biochemical Pathways of Sarcopenia and Their Modulation by Physical Exercise: A Narrative Review. Front. Med. 4:167. doi: 10.3389/fmed.2017.00167

58 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo