top of page

O que são e como agem os curcuminóides?

Atualizado: 7 de dez. de 2022


Os curcuminóides são uma família de compostos ativos derivados da cúrcuma, uma planta rizomática (família do gengibre). Eles são um grupo de pigmentos polifenólicos e incluem curcumina, demetoxicurcumina e bisdemetoxicurcumina. A curcumina é o curcuminoide primário e mais abundante da cúrcuma e o composto para o qual a maioria dos estudos são concentrados.


Os curcuminóides são apenas uma pequena fração do rizoma da cúrcuma e o rizoma é uma parte da planta. Há uma proporção diferente de curcuminóides, assume-se que a proporção natural é de 77% de curcumina, 17% de demetoxicurcumina e 3% de bisdemetoxicurcumina. Assim como a curcumina, os outros dois curcuminóides (desmetoxicurcumina e bisdemetoxicurcumina) também contêm grupos hidroxila fenólicos, uma cadeia heptadieno e uma fração dicetona, que contribuem para suas diversas propriedades terapêuticas, incluindo propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e anticancerígenas.


Ação Antioxidante


A curcumina é o curcuminoide que possui maior capacidade antioxidante, seguida pela demetoxicurcumina e bisdemetoxicurcumina. Eles atuam como um potente eliminador de várias espécies reativas de oxigênio (ROS), incluindo radicais hidroxila, peróxido de hidrogênio, oxigênio singlete e ânion superóxido, evitando assim danos às macromoléculas em circulação ou presentes no tecido, bem como o dano ao DNA induzido por peróxido.


Ação Anti-inflamatória


Os curcuminóides inativam o Fator Nuclear-Kappa B (NF-κB), um importante fator de transcrição pró-inflamatório que está envolvido na inflamação e na resposta imune em doenças como o câncer.


Outra importante atuação, é a inibição dos efeitos inibitórios das vias COX e LOX da curcumina. Isso acontece, porque a ciclooxigenase ( COX ) catalisa a conversão do ácido araquidônico em prostaglandina H2 (PGH2) como primeiro passo e, por sua vez, se transforma em uma série de produtos ativos finais em diferentes tipos de células e com diferentes expressões.


Duas isoformas de COX foram identificadas, COX-1 e COX-2. Estes são codificados por dois genes diferentes e, enquanto a COX-1 é expressa em células de mamíferos, particularmente endotélio, plaquetas e rins em condições normais, a COX-2 é induzida em estados patológicos com excitação inflamatória. Portanto, o componente COX-1 está mais envolvido nos processos homeostáticos, enquanto a COX-2 é a isoforma que desempenha um papel importante no processo inflamatório e na dor a ele associada.


Já as lipoxigenases, asim como a COX são enzimas, envolvidas no metabolismo do ácido araquidônico, cujo metabólitos desempenham um papel importante na inflamação, principalmente por estimular a produção e liberação de citocinas pró-inflamatórias de macrófagos e linfócitos.


Referências bibliográficas

SHEHZAD, Adeeb; LEE, Young Sup. Molecular mechanisms of curcumin action: signal transduction. Biofactors, [S.L.], v. 39, n. 1, p. 27-36, jan. 2013. Wiley. http://dx.doi.org/10.1002/biof.1065.


MUKHERJEE, Sitabja; KAR, Santosh K.. Curcuminoids: the novel molecules of nature. Herbs And Spices - New Processing Technologies, [S.L.], p. 5-11, 1 dez. 2021. IntechOpen. http://dx.doi.org/10.5772/intechopen.99201.


TAVARES, Maria das Graças Cardoso et al. As principais atividades de curcuminóides: uma revisão. Research, Society And Development, [S.L.], v. 11, n. 13, p. 452-458, 16 out. 2022. Research, Society and Development. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i13.35452.

2.340 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page