top of page

Qual tipo de cápsula escolher? Tapioca x Vegetal x Clorofila


Cápsulas são formas farmacêuticas sólidas em que a substância ativa e os adjuvantes apropriados são colocados em um invólucro duro ou mole. Elas variam no tamanho, dependendo da quantidade de fármaco a ser administrada, e possuem formas e cores distintas quando produzidas comercialmente.


Além disso, vale destacar que o revestimento de formas farmacêuticas traz vantagens para as substâncias medicamentosas, diminuindo o risco de irritação da mucosa gástrica, prevenindo o efeito emético – indução ao vômito – permitindo que o fármaco não sofra interferência do suco gástrico (quando em cápsulas gastrorresistentes), mascarando o sabor, o odor e a cor dos fármacos, facilitando a administração da substância, conferindo proteção contra agentes externos –caso do oxigênio e da umidade – prolongando o prazo de validade e controlando a liberação do fármaco.


Ademais, as cápsulas podem ser consideradas de origem vegetal, animal, duras e moles. Cápsulas duras são formadas por dois invólucros distintos, sendo um corpo e uma tampa (ambos com formatos arredondados)e preenchidos com excipientes e princípios ativos em forma sólida. As cápsulas moles, por sua vez, são constituídas por um invólucro gelatinoso mais maleável e de vários formatos, o conteúdo pode ser preenchido por substâncias líquidas, sólidos secos, semissólidos ou, ainda, em pó.


Vale pontuar que a utilização de gelatina – proteína extraída do colágeno presente nas peles, tendões e ossos de animais – afasta o público vegetariano estrito e vegano, trazendo uma baixa aceitação ao tratamento proposto.


Felizmente, a indústria farmacêutica superou esse obstáculo, trazendo para o mercado diversas cápsulas de origem vegetal, contudo, enganam-seaqueles que acreditam que todas elas sejam iguais. Vamos mostrar a seguir essas diferenças:


Cápsula vegetal (convencional): Como intuito de atender a população vegana, foram elaboradas cápsulas100% naturais, seguras e que apresentam as mesmas medidas protetivas das cápsulas convencionais – mascarar o sabor e o odor, proteger contra a umidade, entre outros. Seu revestimento é feito de materiais de origem vegetal (ipê, HPMC, entre outros), é indicada para fármacos sensíveis à umidade, visto que apresentam um menor teor de umidade.


Cápsulas de Clorofila: Essa primeira demanda uma maior preocupação para os adeptos do veganismo, visto que nem sempre ela é de origem vegetal, a utilização da clorofila confere uma coloração verde escura a cápsula, sendo uma opção viável para pacientes que apresentem sensibilidade a corantes sintéticos.


Cápsula de tapioca: A cápsula de tapioca também é uma versão de cápsulas vegetais, ela é produzida a partir de um polissacarídeo hidrossolúvel – cadeia formada por uma grande quantidade de monossacarídeos que podem ser dissolvidos em água – obtido a partir de um processo de fermentação da tapioca. Dentre suas vantagens, podemos citar sua alta estabilidade e sua proteção contra a oxidação (estimulada pelo oxigênio).


Referências:

ALLEN, L.; POPOVICH, N.; ANSEL, H. Formas Farmacêuticas e Sistemas de Liberação de Fármacos. 9. ed.Artmed, 2013.

FIEP. tapioca são opção para veganos. 23 jan. 2018. Disponível em: https://www.fiepr.org.br/boletins-setoriais/11/especial/capsulas-de-tapioca-sao-opcao-para-veganos-2-32027-361890.shtml. Acesso em: 18 fev. 2022.

CABRAL, C.; PITA, J. Ciclo de Exposições: Temas de Saúde, Farmácia e Sociedade. Catálogo: Formas e formatos dos medicamentos – a evolução das formas farmacêuticas. Catálogo de Exposições. p. 1-36, 1 nov. 2015. Disponível em: https://www.uc.pt/ffuc/patrimonio_historico_farmaceutico/publicacoes/catalogosdeexposicoes/catalogo_2exp.pdf. Acesso em: 18 fev. 2022

IBERO MAGISTRAL. K-Caps. p. 1-2, 25 jul. 2019. Disponível em: https://www.iberomagistral.com.br/Arquivos/Insumo/arquivo-092832.pdf. Acesso em: 18 fev. 2022.

FRANCZAK, L. Cápsulas Vegetais? Conheça aqui as diferenças entre as cápsulas. In: DICAS 11 ago. 2021. Disponível em: https://boticaalternativa.com.br/capsulas-vegetais-conheca-aqui-as-diferencas-entre-as-capsulas/. Acesso em: 18 fev. 2022.

GOMES, F. PROCESSOS DE REVESTIMENTO EM SÓLIDOS ORAIS NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA: origens, vantagens e procedimentos utilizados. Orientador: D.Sc. Thiago Frances Guimarães. 2019. 51 f. Tese de Conclusão de Curso. 2019. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/37038/2/FernandaSanchesGomes_TCC_TIF_2019.pdf. Acesso em: 18 fev. 2022.

DUTRA, V. Manipulação de cápsulas. Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas – SBRT. p. 1-21. 2012. Disponível em: http://www.respostatecnica.org.br/dossie-tecnico/downloadsDT/NjEwOQ==. Acesso em: 18 fev. 2022.

BENETTI, V. Comparação entre dois métodos manuais de obtenção de cápsulas rígidas de gelatina. 2010. Tese de Conclusão de Curso. 2010. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/26836/000758697.pdf?sequence=1. Acesso em: 18 fev. 2022.

I9 MAGISTRAL. Tapiocaps. Disponível em: https://www.i9magistralshop.com.br/index.php?route=product/product/download&pdf=4422&document_id=1548. Acesso em: 18 fev. 2022.


2.845 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page