Silimarina: como atua no fígado?


A silimarina, também conhecida como Cardo-mariano ou cardo de leite, é uma planta milenar originária do sul da Europa que, nos dias atuais, é encontrada no mundo inteiro. Pertence à família Asteraceae e é cultivada por conta dos seus potenciais efeitos terapêuticos.


Ao analisar o extrato lipofílico padronizado, é possível observar que a silimarina apresenta uma composição rica em flavonoides (aproximadamente 70/80%) e por volta de 25% de compostos polifenólicos poliméricos oxidados. Dentre os flavonóides, devemos destacar o principal composto bioativo, a silibinina e os três subsequentes, silicristina, silidianina e isosilibinina. Além disso, o extrato apresenta, em menor proporção, ácidos graxos essenciais (os flavonóides quercetina e taxifolina), alguns flavolignóides (como a silihermina, dehidrosibilina, desoxisilidianina, entre outros) e a betaína (aminoácido que apresenta efeito hepatoprotetor).


Por conta de sua composição rica em substâncias antioxidantes e ácidos graxos essenciais, o cardo-mariano é indicado como um coadjuvante no tratamento de doenças hepáticas (caso da DHGNA, cirrose, exposição a toxinas ambientais e hepatites).


Seu mecanismo de ação ainda não é totalmente esclarecido, contudo, estudos in vitro apontam que a silimarina atua em diferentes frentes:

  1. Como antioxidante, combatendo às espécies reativas de oxigênio (EROS), diminuindo o risco de peroxidação lipídica (junção de um radical livre nos ácidos graxos da membrana celular, ocasionando na destruição celular) e aumentando a produção endógena de enzimas antioxidantes como o superóxido dismutase (SOD), catalase, glutationa peroxidase (GPX) e glutationa redutase (GSR).

  2. Como anti-inflamatório, a silimarina interage com as proteínas quinases (enzimas que catalisam a fosforilação de proteínas), diminui a produção da cicloxigenase 2 (enzima que participa do processo inflamatório) e inibi o fator nuclear Kappa B (via de sinalização pró-inflamatória).

  3. Como um agente bloqueador de toxinas, visto que a substância consegue se ligar aos receptores presentes nas membranas dos hepatócitos e, consequentemente, inibindo a ligação de agentes nocivos nesses sítios.

  4. Como um imunomodulador e agente antifibrótico, a simatralina consegue induzir a apoptose ou reduzir a ativação das células de Ito (células responsáveis pela reserva de lipídios) ou, ainda, aumentando degradação dos depósitos de colágeno no parênquima hepático

  5. Por último, mas não menos importante, a substância apresenta propriedades regenerativas do tecido hepático, ocasionada pelo estímulo da RNA-polimerase.


A literatura científica apresenta diversos estudos que corroboram e demonstram as propriedades apresentadas pela silimarina, como o caso do estudo de Zhang, W., Tian, T. e Hong, R. (2013), neste, os autores administraram 200mg/kg de silimarina para animais, os resultados mostraram uma redução de NFKB, de citocinas pró-inflamatórias e redução do acúmulo de triglicerídeos nos hepatócitos. Ademais, o estudo mostrou um aumento significativo da enzima superóxido dismutase e uma esteatose hepática mais branda em comparação ao grupo placebo.


Para reforçar ainda mais os benefícios hepáticos promovidos pela silimarina, temos os estudos de Oveisi, S. et al. (2012) e Yazdi, H. et al. (2013), nestes, os autores tiveram como resultado, uma redução nas enzimas hepáticas ALT e AST com o uso da silimarina em pacientes com DHGNA e esteato-hepatite.


Contudo, vale ressaltar a necessidade de mais estudos duplo cego randomizados com grupo placebo para conseguirmos um parecer mais fidedigno do real potencial terapêutico da silimarina.


Referências:


SILVA, Antonio et al. SILYBUM MARIANUM E SUAS ATIVIDADES FARMACOLÓGICAS: UMA REVISÃO INTEGRATIVAS. Revista Saúde.com,

[S. l.], p. -, 17 mar. 2021. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/8725/6170. Acesso em: 1 nov. 2021.

LEMOS, André; SOUZA, Hernani. Silimarina. Diagn tratamento, [S. l.], p. 18- 20, 17 jan. 2012. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1413-

9979/2012/v17n1/a2842.pdf. Acesso em: 1 nov. 2021.


RIBEIRO, Camila. EFEITO DA SILIMARINA SOBRE INDICADORES BIOQUÍMICOS EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA HEPÁTICA:

REVISÃO SISTEMÁTICA COM METANÁLISE. Dissertação de mestrado, [S. l.], p. 1-82, 1 jan. 2016. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/30804/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o_N ut_%20%20CAMILA%20RIBEIRO%20DE%20AVELAR.pdf. Acesso em: 1 nov. 2021.

SILVA, L.; SILVA, D.; MOMESO, S. Silybum marianum L. Gaertn (ASTERACEAE): CARACTERISTICAS E POTENCIAL TERAPÊUTICO. Anais,

[S. l.], p. 1-9, 1 jan. 2017. Disponível em: http://www.cic.fio.edu.br/anaisCIC/anais2017/pdf/07_24.pdf. Acesso em: 1 nov. 2021.

ZIAEE, Amir et al. Effects of metformin, pioglitazone, and silymarin treatment on non-alcoholic Fatty liver disease: a randomized controlled pilot study. Hepat Mon ., [S. l.], p. -, 12 ago. 2012. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23087748/. Acesso em: 1 nov. 2021.

YAZDI, Zahra et al. Silymarin in treatment of non-alcoholic steatohepatitis: A randomized clinical trial. Caspian J Intern Med ., [S. l.], p. 9-12, 1 maio 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24490006/. Acesso em: 1 nov. 2021.

ZHANG, Wei; HONG, Rutao; TIAN, Tulei. Silymarin’s Protective Effects and Possible Mechanisms on Alcoholic Fatty Liver for Rats. Biomol Ther (Seul), [S. l.], p. 264-269, 30 jul. 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3819898/. Acesso em: 1 nov. 2021.


23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo