top of page

A cúrcuma pode funcionar para a prevenção de doenças crônicas inflamatórias?

Atualizado: 23 de nov. de 2022


A cúrcuma tem sido usada há séculos não apenas para dar sabor, cor e preservar alimentos, mas também como um remédio medicinal. Ela é derivada da planta Curcuma longa Linn, membro da família do gengibre, sendo a curcumina um dos seus principais componentes. Cada vez mais, as suas propriedades anti-inflamatórias têm atraído a atenção de pesquisadores, principalmente pelo impacto positivo na prevenção de doenças crónicas inflamatórias.


Inflamação e Doenças Crônicas


A resposta inflamatória é um processo natural do corpo, frente a alterações. No entanto, quando essa resposta acontece de forma crônica, pode contribuir para o surgimento de doenças crônicas incluindo obesidade; diabetes; doenças cardiovasculares, neurodegenerativas e inflamatórias intestinais; e certos tipos de câncer. Isso porque, a inflamação crônica está associada à alteração das vias de sinalização celular, o que resulta no aumento dos níveis de marcadores inflamatórios, peróxidos lipídicos e radicais livres, causando assim, danos às células.


Mecanismos metabólicos da inflamação


O dano oxidativo é um dos principais contribuintes para a resposta inflamatória. A produção excessiva de radicais livres resulta em um estado de estresse oxidativo, que danifica as gorduras poliinsaturadas nas lipoproteínas e membranas celulares e altera proteínas como DNA e RNA. Esse dano leva a funções celulares prejudicadas e uma resposta inflamatória que contribui para danos, envelhecimento e doenças.


Essa produção excessiva, leva a inflamação crônica e o estresse oxidativo que resultam em níveis séricos aumentados do fator de transcrição NF-KB (fator nuclear kappa B). Os fatores de transcrição regulam a expressão gênica dentro das células e, por fim, controlam o comportamento celular. O NF-KB aumenta a expressão de muitas citocinas e enzimas que são ativas nessas doenças inflamatórias crônicas.


Curcumina e a inflamação


Como vimos anteriormente, a inflamação é mediada por diversos processos. A curcumina por sua vez, pode regular o estresse oxidativo e a inflamação diminuindo a produção de TNFα bem como inibe citocinas inflamatórias, como as interleucinas, relacionadas à resistência à insulina e inflamação crônica.


Evidências de estudos celulares e animais demonstram que os efeitos benéficos da curcumina na obesidade e distúrbios metabólicos relacionados, diminuíram a ativação de NF-KB no fígado e diminuíram os macrófagos acúmulos no tecido adiposo.


Por fim, a curcumina pode também auxiliar na regulação do metabolismo da glicose e lipídios no diabetes tipo 2. Alguns estudos também demonstraram que a curcumina pode melhorar significativamente o controle glicêmico, ao mesmo tempo em que aumentam os níveis de atividade de enzimas antioxidantes e eliminação de radicais livres.


Referências bibliográficas

HE, Yan et al. Curcumin, Inflammation, and Chronic Diseases: how are they linked?. Molecules, [S.L.], v. 20, n. 5, p. 9183-9213, 20 maio 2015. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/molecules20059183.


KUNNUMAKKARA, Ajaikumar B et al. Curcumin, the golden nutraceutical: multitargeting for multiple chronic diseases. British Journal Of Pharmacology, [S.L.], v. 174, n. 11, p. 1325-1348, 21 out. 2016. Wiley. http://dx.doi.org/10.1111/bph.13621.


BAHADORAN, Zahra; MIRMIRAN, Parvin; AZIZI, Fereidoun. Dietary polyphenols as potential nutraceuticals in management of diabetes: a review. Journal Of Diabetes & Metabolic Disorders, [S.L.], v. 12, n. 1, p. 1-13, 13 ago. 2013. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1186/2251-6581-12-43.

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page