Como o exercício contribui para a sua saúde mental



A atividade física é um promotor de saúde e de qualidade de vida isso porque os exercícios ajudam a promover uma boa noite de sono, deixam os músculos mais resistentes, preparam o organismo para se defender mais rápido contra doenças traz disposição, faz bem para a pele e é essencial para o bom funcionamento do sistema cardiovascular, sendo um meio de melhorar a saúde (mental e física).


A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que o conceito de saúde é bem mais abrangente que a simples ausência de doença, é um completo estado de bem-estar físico, mental e social e, dessa forma, merece atenção em todas as suas vertentes.

Assim como a física, a saúde mental é uma parte integrante e complementar à manutenção das funções orgânicas. Nesse contexto, a promoção da saúde mental é essencial para que o indivíduo tenha a capacidade necessária de executar suas habilidades pessoais e profissionais.

A saúde mental é uma questão de saúde pública e precisa de intervenções constantes para garantir qualidade de vida. E, visto que o exercício físico é um método de trabalho com muitos benefícios e relativamente barato, pode ser direcionado a grande parte da população. Cuidando da saúde física é possível cuidar da saúde mental.

Mas como o exercício contribui para a sua saúde mental?


O exercício físico é comprovadamente eficaz na melhora do humor e no alívio dos sintomas de depressão, ansiedade e estresse. Isso acontece porque os exercícios produzem alterações nas partes do cérebro que regulam a sensação de prazer e o humor.

A ausência de endorfina no cérebro pode causar problemas desde mau humor até depressão. Esse hormônio, também conhecida como hormônio da felicidade, é o neurotransmissor responsável pela promoção da sensação de prazer e bem-estar e uma das formas conhecidas de liberação de endorfina é a realização de exercício físico.

Outro benefício da atividade física é a possibilidade de estimular o crescimento de células nervosas no hipocampo. Essa estrutura do cérebro é responsável pela memória e pelo humor e geralmente é menor em pessoas deprimidas. Ou seja, a melhoria de pacientes em depressão não ocorre apenas pela liberação da endorfina: a longo prazo, o exercício pode promover a regeneração da rede de neurônios. Os exercícios também reduzem os níveis de estresse oxidativo, que pode ser alterado por distúrbios psicológicos.

O exercício físico regular também pode aumentar a sensibilidade do cérebro aos hormônios serotonina e noradrenalina, que aliviam os sentimentos de depressão, além disso, é capaz de regular e aumentar a produção de endorfinas, responsáveis pelo bem-estar e por reduzir a percepção da dor.


A prática de atividade física faz com que ocorra maior envolvimento social do indivíduo. Pessoas que sofrem com ansiedade ou depressão, muitas vezes, encaram a socialização como algo desconfortável. Porém, com a prática de exercícios a probabilidade de interação social é aumentada, pois a pessoa irá se envolver com outros alunos, com o instrutor, entre outros.


Segundo estudos, pessoas que deixaram de se exercitar durante a pandemia relataram no período hábitos prejudiciais, como o consumo imoderado de alimentos e de bebidas alcoólicas, oque pode levar a uma evolução de desordens metabólicas físicas quanto de desordens mentais. A prática de esportes regularmente gera a sensação de bem-estar, na medida em que garantem maior energia, sono mais tranquilo e melhora da memória.


A prática do exercício físico é um recurso fundamental no tratamento da saúde mental, pois melhora a autoestima, proporciona sensação de calma e bem-estar, além de diminuir os riscos da depressão.Por outro lado, o sedentarismo representa uma ameaça ao organismo, impulsionando o aparecimento de doenças degenerativas, obesidade, diminuindo as funções fisiológicas e cognitivas, aumentando a ansiedade e promovendo a depressão.


Algumas dicas para começar a fazer exercício físico:


  • Em primeiro lugar, a avaliação do médico é necessária, assim será possível saber se é hora de iniciar (ou retomar) atividades físicas.

  • Fazer o tratamento médico e terapia junto ao exercício físico, assim o exercício físico será um auxílio para o tratamento.

  • Começar devagar, encontrar alguma atividade que gosta e respeitar o ritmo do indivíduo.


Referências?


MARASINI, Gisele; MACHADO, Laura Morais. INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE