Conheça as ações do MOROSIL para redução de gordura abdominal


A obesidade em todo o mundo dobrou desde 1980 e em 2014 mais de 600 milhões de pessoas estão incluídas na faixa de obesidade. O aumento da gordura corporal e, especificamente, da gordura abdominal tem sido muito associado a doenças crônicas como doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e maior mortalidade. Nesse sentido, a gordura abdominal intra-abdominal, e não a gordura subcutânea, é considerada a mais prejudicial para doenças metabólicas relacionadas, e o volume dessa gordura tem sido um importante preditor independente de resistência à insulina, hipertensão e infarto agudo do miocárdio.


A gordura intra-abdominal promove desconforto tanto em homens como mulheres, podendo ocasionar até mesmo forte questões relacionadas a baixa alto estima e bem estar. Não somente a gordura abdominal, mas a gordura presente no corpo como um todo pode ser reduzida através de alimentação adequada, déficit calórico e prática regular de exercícios físicos, no entanto não há garantia que a redução mais expressiva será de gordura da região abdominal. Por esse motivo alguns recursos nutricionais podem auxiliar na redução da gordura abdominal de forma efetiva, como por exemplo o manipulado de Morosil.


Pensando no tecido adiposo (armazenador de gordura), as células adiposas armazenam lipídeos como fonte de energia e acumulam moléculas de triacilglicerol (TAG) quando a ingestão alimentar é muito excessiva. E a disfunção que ocorre nesse tecido quando o quadro de obesidade está expressivo, pode desencadear resistência a ação da insulina e reduzir a secreção de hormônios insulina-sensíveis como por exemplo a adiponectina e a leptina.


Desta forma, para reduzir a quantidade de gordura abdominal é importante que o tecido adiposo desempenhe suas funções de forma adequada, e os componentes antioxidantes da antocianina cyanidin-3-glucoside (C3G) do Morosil colabora de forma significativa para isso.


O morosil (Citrus Aurantium Dulcis (Citrus Sinensis (L) Osbeck) é o extrato seco extraído do suco das laranjas vermelhas Moro, cultivadas especialmente na região do mediterrâneo próximas de um vulcão, sendo esse o ponto crucial para a presença da antocianina cyanidin-3-glucoside (C3G) que é praticamente exclusividade dessa espécie de laranja, pois não é encontrada com facilidade em outras frutas cítricas. Além disso, esse componente proporciona para o Morosil excelente quantidade de vitamina C, ácidos hidroxicinâmicos e flavonóides.


Dito isto, a eficácia do Morosil para redução da gordura abdominal se deve a sua ação sobre as células adiposas, pois ele é capaz de promover uma redução expressiva no tamanho dos adipócitos e reduzir a quantidade de gordura que eles são capazes de armazenar. Nesse sentido, a literatura comenta que o Morosil pode reduzir o acúmulo de gordura corporal em cerca de 25 a 50%.


De acordo com os trabalhos que avaliaram a utilização do Morosil para redução de gordura abdominal, foi demonstrado que a ingestão de 400 a 500mg/dia durante 12 semanas promoveu a redução do acúmulo de gordura abdominal, diminuiu o peso corporal, circunferência da cintura, IMC e circunferência do quadril de homens e mulheres em comparação ao grupo placebo. Por conta disso, a utilização de Morosil pode ser um forte aliado quando a prioridade é a redução de gordura abdominal, podendo ser potencializado se for ingerido junto a dieta balanceada e prática de exercícios físicos.


Referências

Cardile, V., Graziano, A. C. E., & Venditti, A. (2015). Clinical evaluation of Moro (Citrus sinensis (L.) Osbeck) orange juice supplementation for the weight management. Natural product research, 29(23), 2256-2260. DOI:10.1080/14786419.2014.1000897

Kaneko, T., & Shikarawa, T. A. (2018). Study on Supplement Containing Moro (Citrus Sinensis (L.) Osbeck) Orange Extract of a Randomized Placebo-controlled Trial Part 2: Analysis of Efficacy on BMI Reduction. Medical treatment and new medicine, 55(1), 65-9.

Farag, M. A., Abib, B., Ayad, L., & Khattab, A. R. (2020). Sweet and bitter oranges: An updated comparative review of their bioactives, nutrition, food quality, therapeutic merits and biowaste valorization practices. Food Chemistry, 331, 127306. https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2020.127306

Van Gemert, W. A., Peeters, P. H., May, A. M., Doornbos, A. J., Elias, S. G., Van Der Palen, J., ... & Monninkhof, E. M. (2019). Effect of diet with or without exercise on abdominal fat in postmenopausal women–a randomised trial. BMC public health, 19(1), 1-9.

7 visualizações0 comentário