Dicas para desintoxicar o organismo



A síntese de componentes antioxidantes em alguns alimentos ocorre em decorrência das respostas a condições estressantes que eles sofrem durante seu crescimento e desenvolvimento. Os antioxidantes são compostos capazes de inibir ou retardar a oxidação eliminando espécies reativas de oxigênio, por meio do processo de redução ou através da ligação de íons metálicos, convertendo moléculas em espécies não ou menos radicais. Por conta disso, eles são fundamentais para os processos de detoxificação.


Nesse contexto, para favorecer a detoxificação é de suma importância consumir alimentos que contenham antioxidantes e dentre eles estão incluídos os polifenóis, especialmente os ácidos fenólicos, flavonóides e taninos, pois são considerados os principais compostos fenólicos da dieta. Dentre as principais propriedades desses componentes estão incluídas as funções antialérgicas, antiaterogênicas, anti-inflamatórias, antimicrobianas, antioxidantes, antitrombóticas, cardioprotetoras e vasodilatadoras.


No que diz respeito a alimentação é de suma importância diminuir a ingestão de carboidratos refinados, açúcares e doces, gorduras saturadas e trans, alimentos ultraprocessados, café, sódio e elevar o consumo de alimentos in natura e integrais, tais como frutas, legumes, verduras e hortaliças, pois contém excelente quantidade de fibras e por conta disso auxiliam o processo de detoxificação e a consistência das fezes favorecendo sua posterior eliminação.


O consumo de chás também tem se mostrado excelente auxiliador da eliminação de toxinas quando associado a uma alimentação adequada, pois eles possuem ótima quantidade de compostos bioativos.


A ingestão de água é outro ponto crucial para a eliminação de toxinas do organismo, pois ela irá auxiliar não somente na excreção urinária, mas também nas reações metabólicas, na consistência das fezes, facilitar o processo de digestão, hidratar o organismo e evitar quadros de retenção de líquidos.


A prática de exercícios físicos de forma regular é considerada uma maneira muito eficiente de melhorar a circulação sanguínea e induzir o funcionamento do sistema linfático, pois ele é essencial para o transporte e eliminação de toxinas presentes no organismo para excreção. Ainda, a atividade física extenuante também eleva a produção de suor, que é considerado outra forma de eliminar toxinas.


Para auxiliar no processo de detoxificação também é importante evitar ter contato com os agentes promotores de toxinas, como por exemplo a ingestão excessiva de carboidratos refinados e açúcares, alimentos industrializados e ricos em gorduras saturadas e sódio, agrotóxicos, evitar a prática de tabagismo, não utilizar cosméticos que contenham metais pesados e plásticos.


Nesse contexto, embalagens plásticas podem apresentar em sua composição componentes inorgânicos que são capazes de migrar para os alimentos e após longos períodos podem desencadear efeitos maléficos significativos para a saúde. Além disso, os poluentes ambientais e a alta exposição ao Bisfenol A (BPA) podem se acumular no tecido adiposo e proporcionar menor absorção de glicose, resistência à ação da insulina, maior síntese de citocinas pró-inflamatórias, estresse oxidativo e prejuízo das funções mitocondriais.


O processo de detoxificação melhora de inúmeras formas a saúde metabólica, promovendo a melhor absorção dos nutrientes, melhoria das funções imunológicas e diminuição dos processos inflamatórios. Por isso, de modo geral para otimizar a detoxificação é importante ingerir alta quantidade de água, consumir diariamente folhas verdes como couve, rúcula, agrião, brócolis, espinafre, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e açucaradas, praticar atividade física regularmente e consumir lipídeos insaturados através de oleaginosas, azeite de oliva extra virgem e abacate.


Referências

FALLEH, H.; et al. (2008). Phenolic composition of Cynara cardunculus L. organs, and their biological activities. Comptes Rendus Biologies, 331(5), 372–379. doi:10.1016/j.crvi.2008.02.008

HODGES, R. E.; MINICH, D. M. Modulation of metabolic detoxification pathways using foods and food-derived components: a scientific review with clinical application. Journal of nutrition and metabolism, v. 2015.

SOARES, P.E.; SAIKI, M.; WIEBECK, H. Avaliação da migração de elementos de embalagens plásticas de alimentos para soluções simulantes pelo método radiométrico. INAC; 2005.

LATINI, G.; GALLO, F.; LUGHETTI, L. Toxic environment and obesity pandemia: Is there a relationship? Italian Journal of Pediatrics; 36:8, 2010.

SHARP, D. Environmental toxins, a potential risk factor for diabetes among Canadian Aboriginals. Int J Circumpolar Health; 68(4):316–326, 2009.

16 visualizações0 comentário