SOP, endometriose e fertilidade feminina (NAC)


Síndrome dos Ovários Policísticos, ou SOP, e endometriose, você já ouviu falar nelas? Trata-se de duas condições bastante prevalentes que afetam o funcionamento do sistema reprodutor feminino e possuem sintomas que reduzem a qualidade de vida das mulheres. Devido a sua natureza, ambas possuem ainda um impacto negativo na fertilidade feminina, dificultando o sonho de engravidar de muitas mulheres.


A SOP é uma complexa desordem endócrina, reprodutiva e metabólica que pode se apresentar de diferentes formas, ou seja, muitas mulheres apresentam SOP, mas essa condição não é igual em todas elas. As classificações atuais consideram o hiperandrogenismo (excesso de hormônios andrógenos), as disfunções ovulatórias (ciclos menstruais irregulares, usualmente com ausência de ovulação) e a presença de “cistos” nos ovários como os critérios que, combinados, originam as diferentes “formas de apresentação” - ou fenótipos - da SOP (Fenótipo clássico, Fenótipo ovulatório e Fenótipo não-hiperandrogênico).


De maneira resumida, no fenótipo clássico, as mulheres apresentam disfunções ovulatórias, impactando na regularidade do ciclo menstrual e o hiperandrogenismo, podendo ou não haver alterações de imagem nos ovários. Já no fenótipo ovulatório, a mulher possui o excesso de hormônios andrógenos e é possível visualizar os cistos, mas não há alterações na ovulação. O último fenótipo, não-androgênico, seria uma forma mais “leve” da condição, em que há irregularidade menstrual e presença de cistos, mas os hormônios andrógenos não aparecem alterados. Estes últimos apresentam uma correlação muito forte com um dos principais distúrbios metabólicos da SOP, a resistência à insulina (RI). Nessa condição, o excesso de andrógenos aumenta a RI, e a RI aumenta os andrógenos, em um ciclo vicioso que se reflete em problemas no metabolismo da glicose e ganho de peso, por exemplo.


Já a endometriose é uma doença inflamatória caracterizada pela presença de tecido endometrial fora do ambiente uterino. O endométrio é a camada que reveste o útero e é estimulada a se proliferar a cada ciclo menstrual a fim de preparar o ambiente com nutrientes para sustentar uma possível gestação. Quando a fecundação não ocorre, a liberação do sangue na menstruação é justamente da camada de endométrio que se formou e não foi necessária para dar suporte ao desenvolvimento do feto. O crescimento desse tecido fora do útero é estimulado e dependente do estrógeno, e geralmente acontece na região pélvica ou abdominal, podendo aparecer como lesões superficiais ou até como cistos e nódulos. Essa condição causa muita dor, principalmente no período menstrual e durante as relações sexuais, e está associada com a infertilidade.


Ambas condições, a SOP e a endometriose, estão entre os fatores que predispõem a infertilidade feminina. Um fator que apresentam em comum e está fortemente associado a esse fato, é o estresse oxidativo. Esse processo, causado pelo desbalanço entre radicais livres e a capacidade antioxidante do corpo, afeta de maneira direta a qualidade dos oócitos e toda a atividade biológica no ambiente dos ovários e útero, prejudicando a existência de um ambiente favorável para a concepção. Dessa maneira, diversos estudos passaram a se debruçar sobre o efeito da suplementação de antioxidantes como uma maneira de potencializar a fertilidade feminina, inclusive entre aquelas mulheres com SOP e endometriose.


A n-acetilcisteína, ou NAC, está na lista de antioxidantes estudados para esse fim. Essa substância é um agente mucolítico, com elevado poder antioxidante, que reside principalmente na sua capacidade de estimular a biossíntese de glutationa reduzida, um dos mais importantes agentes que atuam contra os radicais livres do nosso organismo.


Na SOP, o estresse oxidativo piora ainda mais a RI, condição que causa aumento dos hormônios andrógenos, dificulta a ovulação e reduz a fertilidade. Já na endometriose, esse processo oxidativo está associado à dor crônica e perpetuação da condição. O uso de NAC, ao controlar e reduzir as espécies reativas, pode gerar melhora da sensibilidade à insulina nas pacientes com SOP e naquelas com endometriose, além de reduzir a dor, pode atuar de maneira específica sobre a proliferação celular, evitando a progressão das lesões. A respeito da fertilidade, mais especificamente, os achados são a favor de uma melhora nas taxas de ovulação e gravidez, principalmente nos casos de mulheres com SOP. As doses utilizadas nos estudos para esses fins variam de 1 - 2g/dia de NAC.


Essa suplementação pode ainda ser potencializada com outros ativos, a depender do objetivo final, e na Simple Pharma você encontra o blend que melhor se encaixa na sua necessidade, além de matéria prima segura e de qualidade.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Escobar-Morreale, H. F. (2018). Polycystic ovary syndrome: definition, aetiology, diagnosis and treatment. Nature Reviews Endocrinology, 14(5), 270–284. doi:10.1038/nrendo.2018.24


Cooney, L. G., & Dokras, A. (2018). Beyond fertility: polycystic ovary syndrome and long-term health. Fertility and Sterility, 110(5), 794–809. doi:10.1016/j.fertnstert.2018.08.


Macer, M. L., & Taylor, H. S. (2012). Endometriosis and Infertility. Obstetrics and Gynecology Clinics of North America, 39(4), 535–549. doi:10.1016/j.ogc.2012.10.002


Devi, N., Boya, C., Chhabra, M., & Bansal, D. (2020). N-acetyl-cysteine as adjuvant therapy in female infertility: a systematic review and meta-analysis. Journal of Basic and Clinical Physiology and Pharmacology, 0(0). doi:10.1515/jbcpp-2020-0107


Porpora, M. G., Brunelli, R., Costa, G., Imperiale, L., Krasnowska, E. K., Lundeberg, T., … Parasassi, T. (2013). A Promise in the Treatment of Endometriosis: An Observational Cohort Study on Ovarian Endometrioma Reduction by N-Acetylcysteine. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, 2013, 1–7. doi:10.1155/2013/240702

230 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo