Ômega-3: uma nova perspectiva no sistema imunológico

EPA e DHA, também conhecidos como Ômega-3, são os principais ácido graxos poliinsaturados (PUFAs) e são capazes de inibir parcialmente muitos aspectos da inflamação, incluindo expressão de moléculas de adesão, produção de eicosanóides e produção de citocinas inflamatórias.



Os ácidos graxos poliinsaturados são importantes componentes dos fosfolipídios presentes na membrana de todas as células do corpo, inclusive células do sistema imunológico, além de proporcionar fluidez e viscosidade permitindo a difusão de diversas substâncias importantes para o metabolismo celular e imunológico. O elevado consumo de ácidos graxos poliinsaturados podem aumentar a concentração de ômega 3 e 6 na membrana celular, além de afetar a interação entre proteínas e lipídios dentro das células, resultando em uma grande alteração na função celular. Assim, pode ocorrer modulação das atividades do receptor, transporte de metabólitos dentro e fora das células e sistemas hormonais. Por conta disso, o ômega 3 pode ser considerado um imunomodulador do sistema imunológico, podendo, assim, influenciar a função das células inflamatórias e de todos os processos inflamatórios do corpo humano.


Além disso, os ácidos graxos ômega-3 participam da regulação de diversas funções importantes do organismo. Como por exemplo papel importante nas funções das células do sistema imune. Isso porque seu potencial anti-inflamatório ocorre pela capacidade de inibição da síntese de eicosanóides, citocinas inflamatórias, moléculas de adesão e EROS.


Além disso, estimula também a produção de citocinas anti-inflamatórias e modula a atividade gênica, já que os ômega-3 inibem o fator de transcrição gênica que controla os mediadores pró-inflamatórios.

Assim, ao diminuir o estado inflamatório consequentemente ocorre melhora no sistema imunológico, que deixa de tentar combater esse estado e passa a aumentar os mecanismos de defesa.


20 visualizações0 comentário