Como o controle antioxidante impacta na imunidade

Atualizado: Jul 20

O organismo tem um equilíbrio entre a síntese e a eliminação de radicais livres. Se ocorre um desequilíbrio nessa parte, seja pelo aumento da produção de radicais livres ou pela diminuição de radicais livres, o organismo é impactado e até as células imunes sofrem consequências.



Os radicais livres são produzidos durante o metabolismo celular normal e podem ser prejudiciais para as membranas celulares, DNA e enzimas.

O estresse oxidativo pode levar a várias doenças, isso porque o sistema imunológico é bastante sensível a esse estresse. O sistema imunológico produz EROS e as células imunológicas utilizam os EROS para manter suas funções e, portanto, precisam de níveis adequados de defesas antioxidantes para evitar o efeito deletério de uma produção excessiva de EROS.

As células imunes contêm altos níveis de vitaminas antioxidantes, e provavelmente estão fornecendo proteção antioxidante.

A suplementação alimentar com compostos naturais com atividade antioxidante e imunomoduladora, pode ser benéfica nessa situação. A capacidade dos antioxidantes de destruir os radicais livres protege a integridade estrutural das células e tecidos.

Estudos mostram que a suplementação com antioxidantes pode melhorar e proteger as reações e respostas imunológicas, em indivíduos expostos a radicais livres. Além disso, esses compostos antioxidantes têm um efeito devido à sua capacidade de transformar EROS em compostos constantes e inofensivos ou eliminá-los.

Uma alimentação com compostos antioxidantes é essencial para uma função eficiente do sistema imune, pois eles podem controlar a função imune afetando tanto a resposta imune inata mediada por células T quanto a resposta adaptativa de anticorpos, como consequência alterando a resposta balanceada do hospedeiro.


65 visualizações0 comentário