Entenda o papel antioxidante das mitocôndrias

Atualizado: Mai 3

Como você já deve saber, a principal função das mitocôndrias é a produção de energia (ATP), isso através da cadeia respiratória. Durante esse processo, são formados como subproduto espécies reativas de oxigênio (EROs), que em níveis baixos são importantes sinalizadores para diversas funções celulares, principalmente para a ativação do sistema imunológico. Contudo, a produção exacerbada pode levar a danos de estresse oxidativo que serão explicados posteriormente. Mas afinal, como são gerados essas EROs?



Geração de Espécies Reativas de Oxigênio

Quando pensamos no oxigênio, 85 a 90% são utilizados pela mitocôndria, sendo metabolizados através da cadeia de transporte de elétrons para a formação da água, um subproduto da geração de energia. Entretanto, pequena parte do oxigênio pode receber algum elétron perdido durante o complexo respiratório, sendo reduzido univalentemente, formando assim o radical superóxido. A partir disso, outras espécies reativas de oxigênio podem ser formadas, como o peróxido de hidrogênio e hidroxilas.


Afinal, o que são radicais livres?

Uma molécula é considerada radical livre por conter um ou mais elétrons livres na sua última camada, logo apresentando uma instabilidade muito grande, em busca de capturar um elétron de qualquer composto que esteja ao redor, a fim de se estabilizar. Nesse sentido, diversas moléculas irão ser danificadas pelos EROs, lesionando as membranas celulares, principalmente por peroxidação lipídica, modificando proteínas e o DNA. Assim como citado anteriormente, o acúmulo levará ao estresse oxidativo, se relacionando a diversos distúrbios metabólicos, com o aumento do risco do aparecimento de várias doenças crônicas não transmissíveis.


Papel antioxidante das mitocôndrias

Como o acúmulo de EROs pode ser prejudicial à célula, o nosso organismo apresenta uma proteção antioxidante composto por diversas moléculas que podem neutralizar os radicais livres. Dentre esses, podemos citar a enzima Superóxido Dismutase (SOD), que atua na remoção do superóxido, e a Glutationa Peroxidase (GPx) que é capaz de reduzir qualquer hidroperóxido orgânico, além do peróxido de hidrogênio.

Nesse contexto, ambas as enzimas são encontradas no interior da mitocôndria, atuando em conjunto. Assim, é necessário que exista um equilíbrio entre a SOD e GPx, garantindo a prevenção, impedindo e/ou controlando a formação de radicais livres e espécies não-radicais, reduzindo assim a ocorrência de danos oxidativos e melhorando, portanto, a saúde mitocondrial e celular.

Para um estudo mais aprofundado sobre o tema, segue algumas sugestões de leitura:

Artigo:

Reactive oxygen species and the free radical theory of aging

The Role of Oxidative Stress in Cardiovascular Aging and Cardiovascular Diseases

An introduction to free radical biochemistry


20 visualizações0 comentário